Blog

Health With Us - Medicina Curativa - Cessação Tabágica - Medicina Geral e Familiar

Tabagismo e Covid-19

Os efeitos do tabaco na doença provocada pelo coronavírus têm sido discutidos com grande controvérsia. Se por um lado é certo que os fumadores que contraem o vírus têm maior probabilidade de desenvolver uma forma grave da doença, alguns estudos apontam para um menor número de casos entre aqueles que fumam.

Será assim o tabagismo um fator protetor para o covid-19?

Os fatores de risco para contrair COVID-19 sintomático ainda não são totalmente compreendidos mas a idade e certas condições de saúde subjacentes são já considerados fatores de risco conhecidos. Os estudos de caso revelaram um número surpreendentemente baixo de fumadores atuais entre os doentes que sofrem de COVID-19 sintomático em comparação com a população em geral, gerando a hipótese de que o tabagismo / absorção de nicotina podia ter um efeito preventivo. Na ausência de estudos especificamente concebidos, qualquer hipótese sobre o efeito da nicotina no COVID-19 sintomático permanece especulativa. A hipótese de um efeito potencialmente protetor da nicotina no COVID-19 sintomático não pode ser verificada.

Por diversas vezes, a Organização Mundial da Saúde tem sublinhado os perigos do tabaco para a transmissão da Covid-19. Numa informação publicada em março, a OMS explica que “os fumadores têm maior probabilidade de serem mais vulneráveis à Covid-19 uma vez que o ato de fumar implica que os dedos (e possivelmente os cigarros contaminados) estão em contacto com os lábios, o que aumenta a possibilidade de transmissão da mão para a boca”.

Além disso, “Os fumadores também podem ter doenças pulmonares ou capacidades pulmonares reduzidas, o que aumenta ainda mais o risco de doença grave”, acrescenta a OMS. Ao mesmo tempo, a utilização de produtos de tabaco como cachimbos de água ou outros equipamentos que envolvem a partilha de objetos “pode facilitar a transmissão da Covid-19 em ambientes comunitários e sociais”.

Portanto, num conjunto de recomendações deixadas à população para o tempo de isolamento em casa, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, deixou claro: “Não fume. Fumar pode aumentar o risco de desenvolver uma doença grave se for infetado com a Covid-19”.

Fumar diminui a imunidade e favorece as infeções pulmonares.
O gesto de levar o cigarro à boca aumenta o risco de contaminação de Covid-19.

Lave as mãos antes de depois de fumar.

Fumar é a causa de doenças pulmonares, cardiovasculares, diabetes e cancro.
Deixar de fumar melhora a sua capacidade respiratória e cardiovascular.
Se for infetado peça COVID-19 resistirá melhor à doença.

Cuide da sua saúde e deixe de fumar.
Nós podemos ajudar!

CLÍNICA MÉDICA

Health With Us

915 131 170

Partilhe este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

dezasseis + treze =