Cessação Tabágica para Empresas

Programa intensivo para deixar de fumar

Nos fumadores há maior risco de doença nos vários órgãos que compõem o corpo humano. No fumador há maior risco de constipação e de contrair gripes mais graves, tem um risco 2x superior de AVC, tem maior risco de desenvolver demência de alzheimer, a impotência sexual é 85% mais comum em fumadores, é fator de risco para múltiplos cancros como cancro da faringe e laringe, do pulmão, do estômago.

O tratamento da dependência de tabaco é hoje aceite, internacionalmente, como o padrão de referência das terapêuticas preventivas! Por isso, assiste-se a um reconhecimento crescente de que as intervenções antitabágicas devem tornar-se parte integrante dos cuidados de saúde.

Com essa preocupação em mente, no dia 1 de janeiro de 2018, entraram em vigor (fruto da publicação da Lei n.º 63/2017, de 3 de agosto) várias alterações à Lei n.º 37/2007, de 14 de agosto, vulgarmente conhecida como Lei do Tabaco. Nomeadamente, estabeleceu-se a obrigação, por parte do empregador, de garantir, a promoção no local de trabalho, de ações e programas de controlo tabágico.

A Health With Us tem como objetivo garantir o seu sucesso na Cessação Tabágica através de Programas Intensivos com uma equipa médica especializada. A empresa foca-se na disponibilização exclusiva do melhor serviço de apoio à cessação tabágica nas empresas, com a maior taxa de sucesso a nível nacional de 62,7% de abstinência superior a 6 meses, no último ano de 2020.

Health With Us - Medicina Curativa - Cessação Tabágica - Medicina Geral e Familiar
Health With Us - Medicina Curativa - Cessação Tabágica - Medicina Geral e Familiar

Vantagens para a sua empresa

Mais saúde, mais rendimento

Além dos malefícios para a saúde, uma pesquisa recente afirma que, com o rigor da lei de proibição de fumar em locais fechados e o fim dos locais para fumadores, o trabalhador precisa deslocar-se uma maior distância para conseguir fumar, totalizando em média 15 minutos a cada pausa. Refletindo num turno de trabalho de 8 horas diárias e uma média de consumo de seis cigarros por dia nesse período (três de manhã e três no período da tarde), este funcionário irá perder pelo menos 90 minutos do seu tempo a fumar, o que equivale a 20% do seu tempo produtivo. Considerando um ano de trabalho, essa perda pode significar um menor desempenho do profissional na sua área de atuação, não contabilizando o cálculo de faltas, licenças médicas e aumento do recurso ao plano de saúde, com a associação direta do consumo do cigarro à maior probabilidade de doenças respiratórias, vasculares, cardíacas e outros tipos de neoplasias específicas.

O tabagismo no ambiente corporativo pode ser um fator prejudicial, tanto para sua saúde quanto para o convívio e rendimento nas tarefas do trabalhador.

Como iniciar um programa intensivo para deixar de fumar?

O que inclui o programa

O programa intensivo para deixar de fumar inclui um pacote de consultas médicas individualizadas, baseado no “Programa Tipo de atuação na Cessação Tabágica” da Direção Geral de Saúde de 2007.

A primeira consulta é realizada a todos os fumadores para avaliação e informação ao fumador. Existem várias opções para si, de forma personalizada, mais eficaz, com exclusividade de tempo e espaço, capaz de reconhecer e adequar a melhor estratégia de mudança comportamental e qual o melhor método para o fumador desde várias opções farmacológicas disponíveis a medicina alternativa (acupuntura).

Na primeira consulta será decidido em conjunto qual o melhor método para iniciar o processo de deixar de fumar.

Health With Us - Medicina Curativa - Cessação Tabágica - Medicina Geral e Familiar

Primeira consulta médica

Em que consiste

A primeira consulta médica individualizada a todos os fumadores da empresa inclui:

  • Preenchimento da ficha clínica da consulta de cessação tabágica;
  • Proceder à avaliação clínica do fumador e do seu consumo do tabaco;
  • Avaliar as razões que levam ao tabagismo e aquelas que motivam o seu abandono;
  • Reforçar a informação sobre os malefícios do tabaco e os benefícios da cessação tabágica, fornecendo se necessário folheto informativo;
  • Avaliar a dependência física da nicotina (questionário de Fagerström);
  • Proceder à recolha da história tabágica e clínica: carga tabágica, tentativas prévias, síndrome de abstinência, locais onde fuma, conviventes fumadores, problemas de saúde, terapêutica habitual e fatores de risco;

  • Avaliar a fase de motivação (segundo estadios de mudança de Prochaska) e o grau de prontidão para a mudança;
  • Avaliar os apoios sociais e familiares;
  • Identificar acontecimentos, estados de humor ou atividades que aumentam o risco de fumar ou recair;
  • Identificar e treinar aptidões e competências para lidar com as situações de risco;
  • Avaliar os dados antropométricos, a pressão arterial e dosear o CO;
  • Propor o auto-registo dos cigarros consumidos ao longo do dia, no sentido de que o fumador conheça melhor o seu comportamento tabágico, de modo a evitar consumir os cigarros de que «não necessita» e preparar a cessação (opcional);
  • Delinear e explicar em que consiste o programa personalizado de tratamento (perspetivar «dia D», terapêutica, follow-up), averiguando vontade do fumador em iniciar um programa de consulta intensiva para deixar de fumar.

Health With Us - Medicina Curativa - Cessação Tabágica - Medicina Geral e Familiar

+ 4 Consultas médicas de acompanhamento

Em que consiste

O programa intensivo de cessação tabágica inclui, além da consulta inicial de informação/avaliação do Fumador, 4 consultas médicas de acompanhamento em todo o processo de deixar de fumar por Fumador.

Perguntas frequentes

Dúvidas comuns

Quando consome produtos derivados do tabaco sejam fumados ou não fumados.

Sim. É uma dependência do tabaco – não é somente um fator de risco e causa de morbilidade e mortalidade por outras doenças, mas é também uma doença em si mesma sendo considerado uma doença crónica, como a hipertensão arterial e a diabetes.

É uma doença crónica com múltiplos períodos de recaída e remissão, a requerer cuidados continuados que incluam aconselhamento médico, apoio e terapêutica farmacológica.

Nos fumadores há maior risco de doença nos vários órgãos que compõem o corpo humano. No fumador há mais risco constipações e gripes e mais graves.O tabaco é o principal fator de risco de pneumotorax. Tem também mais tosse e expectoração. O tabaco tem um risco duplamente superior de AVC. O tabaco tem uma associação importante com a Doença de Buerguer (tromboangeíte obliterante). Tem maior risco de desenvolver doença de parkinson e doença de alzheimer. O cigarro é fator causal da DM tipo 2. A impotência é 85% mais comum em fumadores. Também se associa a menopausa precoce. É fator de risco para Cancro da faringe e laringe, Cancro da cavidade oral e lábio, Cancro do nariz e seios perinasais, Cancro do pulmão, Cancro do esófago, Cancro do estômago, Cancro do fígado e pâncreas, Cancro do intestino, Cancro do rim, Cancro da bexiga, Cancro do colo do útero, Leucemia mielóide aguda e Cancro de pele.

Não existe um limiar mínimo seguro de consumo de cigarros. Consumos inferior a 5 cig/dia estão associados a um aumento de mortalidade por todas as causas e por doença isquémica cardíaca, em ambos os sexos, e a um aumento da mortalidade por cancro do pulmão, mais acentuado nas mulheres.

Não existem estudos conclusivos. No entanto, sabe-se que existem outros componentes não discriminados na composição do cigarro eletrónico que poderão ter efeitos nefastos para a saúde. Um composto conhecido e componente principal das soluções de nicotina, é o proilenoglicol e desconhece-se os efeitos da exposição a longo prazo. Os efeitos a longo prazo da deposição dos constituintes do vapor na boca, via aérea superior e pulmões, e o efeito sistémico da absorção dos componentes como resultado da inalação. Existem Sociedades que promovem o uso destes produtos como métodos de cessação tabágica o que não está indicado e pode afastar os fumadores da utilização de métodos comprovadamente eficazes e disponíveis. O facto de não existir restrição no acesso de menores a estes produtos, pode promover um retrocesso de décadas no esforço de criação de uma imagem negativa associada ao ato de fumar, tornando-o novamente num hábito socialmente aceitável e atrativo para os jovens, cada vez mais expostos à publicidade agressiva destes produtos.

Procure apoio médico. Um médico especialista em Cessação Tabágica tem várias opções para si, personalizado, mais eficaz, com exclusividade de tempo e espaço, capaz de reconhecer motivação e disponibilidade do fumador para a natureza da intervenção. Adequa estratégias de mudança comportamental e tem várias opções farmacológicas disponíveis.

No dia 1 de janeiro de 2018, entraram em vigor (fruto da publicação da Lei n.º 63/2017, de 3 de agosto) novas alterações à Lei do Tabaco. Estabeleceu-se a obrigação, por parte do empregador, de garantir, em consonância com os serviços de saúde ocupacional que proporciona aos trabalhadores, a promoção, no local de trabalho, de ações e programas de controlo tabágico, disponibilizando informação sobre as consequências do consumo de tabaco e exposição ao fumo, devendo apoiar ou referenciar trabalhadores que pretendam iniciar o tratamento de cessação tabágica. Igualmente, deve o empregador monitorizar a salubridade dos locais de trabalho, em particular no que refere à qualidade do ar, evitando a sua contaminação com fumo de tabaco, garantido assim as condições de saúde, higiene e segurança adequadas.

Não existem estudos conclusivos. Contudo, é sabido que fumar diminui a imunidade e aumenta o risco de contrair infeções pulmonares bacterianas e virais, de gripe sazonal e de tuberculose, pelo que é expectável que esse risco aumentado também exista relativamente à COVID-19.
Por outro lado, é possível que as pessoas que fumam ou usam cigarros de aquecimento ou eletrónicos sejam mais vulneráveis ao novo coronavirus (SARS-CoV-2) e à Covid-19, pois, durante o ato de fumar, os dedos, os cigarros ou os bocais eventualmente contaminados podem entrar em contacto com a boca, o que aumenta a possibilidade de transmissão do vírus. O uso de cachimbos de água (shisha), pode envolver a partilha de bocais, o que poderá facilitar, também, a transmissão do novo coronavirus.
Para diminuir esse risco lave as mãos antes e depois de fumar, lave os bocais e desinfete os aparelhos de aquecimento ou os cigarros eletrónicos com uma solução à base de álcool após a compra e frequentemente após a utilização. Não partilhe cigarros ou equipamentos. Os bocais dos cachimbos de água nunca devem ser partilhados, devendo ser devidamente higienizados após a sua utilização.

Embora ainda nem tudo seja conhecido acerca da COVID-19, pessoas com idade mais avançada, patologias crónicas cardiovasculares, respiratórias ou diabetes apresentam maior risco de desenvolver complicações graves no caso de serem infetadas pelo novo coronavirus.
As pessoas fumadoras têm maior probabilidade de sofrer destas doenças em resultado da exposição ao fumo do tabaco. No caso de serem infetadas pelo novo coronavirus poderão apresentar maior risco de sofrer complicações graves, pois fumar lesa os tecidos pulmonares e aumenta a produção de muco a nível da árvore brônquica, o que contribui para aumentar a dificuldade respiratória. Por outro lado, fumar diminui a imunidade, tornando mais lenta e difícil a luta contra a infeção e a cura da doença.

Sim, não deve partilhar com outras pessoas, quaisquer objetos de uso pessoal, incluindo cigarros, bocais dos cachimbos de água ou cigarros eletrónicos. A transmissão do vírus faz-se através das nossas mucosas (boca, olhos e nariz). Deixar de fumar ou usar cigarros de aquecimento ou eletrónicos permite eliminar o manuseamento dos cigarros e o eventual toque dos dedos, eventualmente contaminados, na boca.
Além disso, é possível que se consigam gerir melhor as condições de doença crónica preexistentes no caso de haver infeção, porque o abandono do tabaco tem um impacto positivo nos níveis de oxigénio no sangue, na redução da sintomatologia respiratória e no sistema cardiovascular, que vão melhorando com o passar do tempo. Gerir melhor as doenças crónicas pré-existentes pode aumentar a capacidade dos pacientes com COVID-19 para responderem melhor à infecção e reduzir o risco de complicações mais graves.

Cuide dos seus trabalhadores!

Ofereça a possibilidade e o incentivo que os seus trabalhadores necessitam para melhorarem a saúde e deixarem de fumar!

Contacte-nos, trabalhadores saudáveis, gera mais rendimento e produtividade!

Peça já um orçamento gratuito

Se pretende um plano de Cessação Tabágica para a sua empresa, prencha este breve formulário. A Health With Us irá contactá-lo com brevidade.

    Telefone

    (+351) 915 131 170

    Health With Us - Medicina Curativa - Cessação Tabágica - Consultas ao Domícilio